quinta-feira, 31 de janeiro de 2013




Hoje, 31, a Igreja celebra com grande alegria a festa de São João Bosco, um servo de Deus que dedicou sua vida a ensinar os jovens sobre a importância de evangelizar.

Dom Bosco foi um dos grandes santos que manifestava uma imensa bondade. Por meio dos sonhos Deus o conduzia e indicava a sua missão de evangelização. Segundo professor Felipe Aquino, muitos dos sonhos proféticos de São João Bosco foram transformados em livros.

“O primeiro grande sonho que Dom Bosco teve foi aos 9 anos. Deus revelou que ele precisava educar a juventude e transformar, pela instrução religiosa, cívica, intelectual e moral, os desobedientes em bons; além de aperfeiçoar aqueles que já eram bons”, disse o professor.




Esse santo aceitou sua missão e a seguiu, dedicando sua vida a salvar a juventude, pois sempre fez tudo para impedir que um jovem abandonado precisasse roubar para se alimentar. Assim, em 1854, foi criada a Congregação Salesiana; mais tarde, em 1872, criou-se o Instituto das Filhas da Maria Auxiliadora (ordem feminina da congregação) onde todos os sacerdotes, irmãs e leigos se dedicam a educação e a catequese da juventude.

“Dom Bosco fundou a Comunidade Salesiana para trabalhar com os jovens e lutou sempre pela salvação dos seus meninos”, destacou Aquino.

É a exemplo desse grande santo da Igreja que o fundador da Comunidade Canção Nova, monsenhor Jonas Abib, sacerdote salesiano, leva para sua comunidade uma frase que Dom Bosco assumia para sua vida: ‘Dai-me almas e ficai com o resto’.

“Eu tive a alegria de fazer todo o meu curso ginasial no Colégio São Joaquim, em Lorena (SP), onde pude conhecer o monsenhor Jonas, em 1970, porque ele é sacerdote salesiano de Bom Bosco. E foi ali, há 43 anos, que nos conhecemos e começamos a nossa caminhada juntos e, graças a Deus, ainda continuamos juntos. Foram esses grandes santos salesianos que levaram para o mundo inteiro o trabalho maravilhoso de Dom Bosco”, recordou professor Felipe.

Professor Aquino ressalta ainda que, durante o processo de canonização de São João Bosco, o responsável por fazer as perguntas e checar se aquele que é candidato a santo é, de fato, digno de receber o título, questionava qual era o momento que ele se dedicava a oração. Assim, o postulador da causa de Dom Bosco foi firme na resposta: ‘Vamos inverter a perguntar: “Quando era que ele não rezava?”.

“Todo o tempo Dom Bosco estava em oração, mesmo subindo ou descendo uma escada, ele estava rezando o terço, o Pai-Nosso, o Credo ou a ladainha de Nossa Senhora. Era um homem de profunda oração”, enfatizou Aquino.

Dom Bosco foi canonizado, em 1934, pelo Papa Pio XI e foi aclamado como ‘Pai e Mestre da Juventude’ pelo beato João Paulo II.

O grande ensinamento que esse santo deixou para a Igreja é a sua forma de educar e catequizar os jovens baseado em três palavras: razão, religião e bondade.